Precisamos conversar sobre soluções personalizadas para seu negócio.

Lembra da sua mãe [ou do seu pai] falando que você não é todo mundo? Pois é, sua empresa também não é. Ou, não deveria ser. Empreendedores / novos empresários constumam ser atraídos pela primeira ideia de sucesso que assistem nos programas e sites relacionados às “empresas que deram certo”. Em ondas, podemos acompanhar a multiplicação de determinados segmentos de negócios que, em poucos meses, voltam a ter de 1 a 4 competidores sólidos, firmes, com marca, empresa e lucratividade de pé. Existe algum segredo ou fórmula mágica para isso? Não, apenas tem trabalho duro, planejamento, resiliência e o entendimento de que se a sua marca não fosse pioneira ou que representasse algo único, estaria apenas ocupando espaço no mercado.

 

Para construir empresas e marcas pioneiras, estes empresários / empreendedores entenderam, antes de ganhar o primeiro centavo, que precisavam possuir uma imagem personalizada, que representasse com exatidão aquilo que pretendiam vender, a promessa que estavam entregando a partir de um produto ou serviço. É simples: se você estiver vendendo a mesma coisa que o concorrente “do outro lado da rua”, sem ter nenhuma forma de parecer melhor do que ele, vai quebrar. Ou os dois vão quebrar quando aparecer a empresa que fale como e do que o cliente precisa, com uma cara só deles.

fonte: http://oabce.org.br/2016/05/audiencia-publica-discute-legalizacao-do-uber-no-ceara/
foi graças a mentalidade de “eu posso seguir fazendo a mesma coisa” que a uber surgiu e redesenhou a maneira de pensar em transporte particular / compartilhado.

Conheça a seguir os principais motivos para buscar soluções personalizadas para sua empresa:

 

A personalização gera diferenciação, e diferenciação gera lucro.

No texto sobre branding, já escrevi sobre como uma marca é capaz de prosperar quando sabe exatamente o que quer. Ao saber o que quer, sabe o que e como mostrar. E sabe que a última coisa que precisa fazer é parecer com o concorrente. Marca personalizada, identidade de comunicação personalizada, da fachada ao bom dia, da saudação no e-mail a ser escrito à ligação para entender o problema que você vai resolver do seu cliente, vão tornar a sua empresa, produto ou serviço, diferentes.

E quando ela é positivamente diferente, esse cliente vai contar para mais pessoas que o que você tem vale a pena consumir. Estas virão até você e a partir daí você [repete o bom atendimento e] começa a lucrar. Nem entro no mérito da necessidade do bom atendimento e do bem servir, pois imagino que você também gosta de ser bem tratado. Se não faz isso pelas pessoas que escolheram a sua marca para dar dinheiro, eita… você vai quebrar.

 

Não existe empresa que tenha se destacado sendo parecida com outra.

E isto vale para o bem e para o mal. Antes de abrir a sua empresa, quero imaginar que você pesquisou pela concorrência e observou no que eles acertam e no que eles falham, para fazer melhor em todos os aspectos. Claro que haverá a “cópia” do que eles fazem bem, mas a partir do momento que você faz certo / melhor o que eles fazem de errado, você já tem uma empresa / produto / serviço diferenciado. Ao somar isso a um visual matador, e a uma marca que seja exatamente aquilo que o seu produto ou serviço “fala e faz”, temos um campeão em evolução, um líder em construção, uma marca do topo escalando a montanha do sucesso.

 

Agora, se você não olhou para o mercado onde deseja atuar e colocou seus recursos na primeira ideia que veio porque “tá todo mundo comprando disso / pegando esse serviço / falando dessas coisas”, rapaz, mocinha… lembre da sua mãe ou do seu pai. Se não lembrar, você vai quebrar.

Lembra da sua mãe [ou do seu pai] falando que você não é todo mundo? Pois é, sua empresa também não é.

Quem vai se importar com sua empresa se ela for apenas mais uma?

Repito o exemplo de uma rua com dois negócios iguais. Visite o centro comercial de qualquer cidade de médio a grande porte, ou um shopping, e teremos: 3 empresas de eletrodomésticos e produtos para casa, 4 bancos, 2 supermercados, umas 8 a 10 lojas ou ambulantes com capinhas e outros produtos para dispositivos móveis, pelo menos 2 operadoras de dados [telefonia / tv a cabo / internet], 2 lanchonetes de hamburguer com acompanhamento, 2 esfirrarias, várias lanchonetes com alimentos diversos [inclua a especialidade da sua região], e 2 restaurantes. Todas estas empresas tem clientes fiéis, clientes esporádicos, e consumidores de estréia.

 

Tem esse tamanho e este tipo de clientes porque deu na telha de copiarem umas as outras? Não. Releia acima, perceba: em tese, faz algum sentido existir várias empresas que vendam as mesmas coisas [e dentro de cada uma dela ter vários produtos que são a mesma coisa], se uma só poderia atender à sua necessidade? Em tese, não. Mas porque você escolhe uma em detrimento da outra? Preço, prazo, atendimento, condições de pagamento, variedade de produtos ofertados, sensação de bem estar (seja pelo atendimento, seja pelo ambiente da loja), entrega da promessa que vendem, são alguns de vários fatores que fazem com que você e centenas de clientes escolham por um produto, marca ou serviço ante outro. É o valor que ela cativa em você que direciona a escolha.

fonte da imagem: https://www.youtube.com/watch?v=G0biow055EI
contudo, a partir do momento em que a uber se consolidou, a concorrencia surgiu. E como manter a diferenciação?

E, tirando a cabeça [e o bolso] do cliente, sua ideia / empresa / produto / serviço tem controle total sobre todas as outras variáveis que sugeri acima. Ou seja: se sua empresa não tem uma cor [e/ou visual de ambiente] que chame mais a atenção que a do concorrente, se a mensagem que você diz não desperta a atenção do público que você deseja alcançar [ou pior, se você não diz nada e fica esperando o cliente bater na sua porta], se o visual de tudo que você utiliza para “ser e parecer” não tem harmonia, nem combinam com o que você oferta, você não está se importando com o que faz e tem pra oferecer. Não está agregando valor ao seu potencial consumidor. Não espere que o público se importe, muito menos que veja valor no que sua empresa tem / faz / vende. Aham, sim, isso mesmo: aí você vai quebrar.

 

Você quer chegar lá ou quer ser mais um empreendedor / empresário frustrado, que reclama de tudo?

Por fim, pergunto: o que você quer ao colocar mais uma empresa no mercado, mais uma marca, mais um produto ou serviço? Qual é o motivo [propósito] que te inspirou a deixar de ser um funcionário, ou a nunca sonhar em sê-lo? E, talvez a pergunta mais importante neste texto: como você vai explicar (e convencer) várias pessoas que adquirir um produto ou serviço da sua empresa é, de fato, a melhor opção para vida delas? Uma das respostas é a diferenciação através de ABCD: [A]mor pelo que faz / pelas escolhas que praticará para ter o seu negócio; [B]randing para uma gestão de marca que faça com que a sua, entregue aquilo que ela realmente fala e faz; [C]omunicação para que todas as pessoas compreendam essa mensagem e assimilem de verdade; e [D]esign para que as formas e funções de tudo que você utilizará trabalhem em favor da sua prosperidade.

 

A partir destes quatro passos, a escolha de estar com uma empresa / marca / produto ou serviço que realmente prospere ou apenas ocupar seu tempo e ocupar um espaço no mercado, culpando sempre a politica, o governo, os prazos, os clientes, o local, a concorrência e tudo menos a si mesmo pelas dificuldades no caminho, é sua. E ai, o que vai ser? Prosperar ou patinar?

 

Conte com a Vamos Crescer Juntos para que o ABCD seja o caminho mais prospero para o que você gosta de fazer. Estou aqui para ajudar você a chegar lá! 


avise quem quiser:

comentários